domingo, 6 de novembro de 2011

The whole world


Chris Sauter from Mark & Angela Walley on Vimeo.
Como fazer uma Silvia feliz: compartilhando vídeos que fazem ela perder o preconceito contra, por exemplo, instalações.
Cláudio Luiz me mandou esse vídeo, sobre o making of da instalação The whole World, do artista Crhis Sauter (que eu não conhecia, btw, e que parece o James Hettfield, dã).

Porque eu amei tanto? Só porque fala de duas coisas que são muito caras pra mim: ciência e arte. Eu amei como ele tira os instrumentos da própria parede que é o objeto pra onde os instrumentos apontam. E a parede, de longe, parece tão perfeita, e os instrumentos, tão imperfeitos. Mais ou menos como é o nosso conhecimento, que a gente estuda, estuda, estuda e continua maravilhado com o objeto de estudo, e olha pro conhecimento que a gente construiu e pensa: é tão imperfeito, tadinhos de nós, somos uns tosquinhos que não sabemos quase nada.
Btw, de novo, aquela visão de cientista arrogante, que acha que sabe tudo, se desfaça dela, viu? Os bons não são assim não, eles tem uma noção muito clara do tamanho da nossa ignorância. Quer ver? Lê isso.
E o Cláudio completa: "A parede com os furos redondos ficou linda. Tanto plasticamente como a ideia de um suposto céu sendo observado pelo telescópio. E ao mesmo tempo dizendo: tiramos nossas invenções das coisas que observamos."

Enfim, eu achei uma alegoria linda, todas compartilha.

Nenhum comentário: